Hábito alimentar nos lanches intermediários de crianças pré-escolares brasileiras: estudo em amostra nacional representativa

Mauro Fisberg, Ana Paula Wolf Tasca Del’Arco, Agatha Previdelli, Abykeyla Mellisse Tosatti, Carlos Alberto Nogueira-de Almeida

Abstract


Objetivo: Descrever os hábitos alimentares das crianças pré-escolares brasileiras, relacionados à
ingestão dos lanches intermediários, e verificar o aporte nutricional dos mesmos. Metodologia: Análise
secundária de questionário estruturado respondido por 3 dias, pelas mães de 1.391 crianças de 4 a 6
anos, de todas as regiões do país, sobre os alimentos consumidos nos lanches e suas quantidades.
Resultados: 98,20% das crianças brasileiras realizam os lanches intermediários e, em média, são
compostos por 2,9 grupos de alimentos. Qualitativamente, as composições dos lanches da manhã e da
tarde foram semelhantes, em sua maioria contendo os mesmos grupos alimentares: frutas em geral,
biscoitos em geral e iogurtes em geral. O lanche da tarde se mostrou mais calórico e com consumo
mais frequente de alimentos variados e com alto teor de açúcares de adição (como balas, sorvetes
e chocolates). O consumo de açúcar de adição, somadas as quantidades de açúcares do lanche da
manhã e da tarde, se aproximou do limite recomendado para a dieta. O consumo do grupo das frutas
em geral foi frequente em 98,8% das composições de lanches estudadas. Conclusão: As crianças
pré-escolares brasileiras têm o hábito de realizar os lanches intermediários. A composição dos lanches
é de suma importância, uma vez que são oportunidades para o preenchimento dos requerimentos
nutricionais desta faixa etária, qu

Keywords


lanches intermediários; crianças pré-escolares; hábitos alimentares.

Full Text:

PDF

References


Bernardi JR, Cezaro C, Fisberg RM, Fisberg M, Vitolo

MR. Estimation of energy and macronutrient intake at

home and in the kindergarten programs in preschool children.

J Pediatr (Rio J). 2010; 86(1): 59-64.

Bueno MB, Fisberg RM, Maximino P, Rodrigues GP, Fisberg

M. Nutritional risk among Brazilian children 2 to 6 years

old: a multicentric study. Nutr. 2013; 29(2): 405-410.

Tavares BM, Veiga GV, Yuyama LKO, Bueno MB, Fisberg

RM, Fisberg M. Nutritional status and energy and nutrients

intake of children attending day-care centers in the

city of Manaus, Amazonas, Brazil: are there differences

between public and private day-care centers? Rev Paul

Pediatr. 2012; 30(1):42-50.

Cavalcante ACM, Sampaio HAC, Almeida PC. Dietary

recommendations to treat childhood obesity: similarities

and differences according to the professional category.

Rev BaianaSaudePublica. 2012; 36(3):764-776.

World Health Organization (WHO). Childhood overweight

and obesity on the rise. Geneva: WHO; 2010. Disponível

em: http://www.who.int/dietphysicalactivity/childhood/en/.

Acesso em: 20 de julho de 2015.

Brasil – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.

Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009. Disponível

em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/

populacao/condicaodevida/pof/2008_2009_aquisicao/

pof20082009_aquisicao.pdf. Acesso em 20 de julho de

Triches MR, Giugliani JRE. Obesidade, práticas alimentares

e conhecimentos de nutrição em escolares. Rev

Saúde Pública. 2005; 39(4): 541-547.

Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP). Manual de

Orientação do Departamento de Nutrologia. São Paulo:

SBP; 2012. Disponível em: http://www.sbp.com.br/

pdfs/14617a-PDManualNutrologia-Alimentacao.pdf.

Acessoem: 20 dejulho de 2015.

Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP). Manual do lanche

saudável. Departamento Científico de Nutrologia.

São Paulo: SBP; 2012. Disponível em:http://www.sbp.

com.br/pdfs/Manual_Lanche_saudavel_04_08_2012.

pdf. Acesso em: 21 de julho de 2015.

Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação

(FNDE). Fundo Nacional de Alimentação Escolar (PNAE).

Resolução no32, de 10 de agosto de 2006. Estabelece as

normas para a execução do Programa Nacional de Alimentação

Escolar. Brasília: 2006. Disponível em: http://

www.fnde.gov.br/. Acesso em 20 de julho de 2015.

Campos, JADB; Zuanon ACC. Merenda escolar e promoção

de saúde. CiencOdontol Bras. 2004; 7(3): 67-71.

Gaglione CP. Alimentação no segundo ano de vida, pré-

-escolar e escolar. In: Lopez FA, Brasil ALD. Nutrição e

Dietética em Clínica Pediatria. São Paulo: Atheneu, 2003.

p.61-62.

Cooke L. The importance of exposure for health eating

in childhood: a review. J Human Nutrition and Dietetics.

; 20(4):294-301.

Vitolo MR. Nutrição: da gestação ao envelhecimento, 2ª

Ed. Rio de Janeiro: Rubio, 2015. 568 p.

American Academy of Pediatrics, Committee on Bioethics.

Informed consent, parental permission, and assent

in pediatric practice. Pediatrics. 1995; 95: 314-317.

World Health Organization (WHO). Ingestão de açúcares

por adultos e crianças. Geneva: WHO; 2015. Disponível

em: http://www.paho.org/bra/images/stories/GCC/ingestao%

de%20acucares%20por%20adultos%20e%20

criancas_portugues.pdf?ua=1. Acesso em: 20 de julho

de 2015.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA).

Resolução RDC no 269, de 22 de setembro de 2005.

Regulamento técnico sobre a ingestão diária recomendada

(IDR) de proteína, vitaminas e minerais. Brasília:

Disponível em: http://portal.anvisa.gov.br/wps/

wcm/connect/1884970047457811857dd53fbc4c6735/

RDC_269_2005.pdf?MOD=AJPERES. Acesso em 20 de

julho de 2015.

Fiates GMR, Amboni RDMC, Teixeira E. Comportamento

consumidor, hábitos alimentares e consumo de televisão

por escolares de Florianópolis. Rev Nutr. 2008;

(1):105-114.

Pedroni JL, Rech RR, Halpern R. Marin S, Roth LR, Sirtoli

M, Cavalli A. Prevalência de obesidade abdominal e

excesso de gordura em escolares de uma cidade serrana

no sul do Brasil. Ciênc Saúde Coletiva. 2013; 18 (5):

-1425.

Tuma RCFB, Costa THM, Schmitz BAS. Dietary and anthropometric

assessment of three pre-schools from Brasilia,

Federal District, Brazil. Rev Bras SaúdeMaternoInfantil.

; 5(4): 419-428.

Ciochetto CR, Orlandi SP, Vieira MF. Consumption of

fruits and vegetables in the public school in southern Brazil.

Arch Latinoam Nutr. 2012; 62(2):172-8.

Nobre L, Lamounier JA, Franceschini, SCC. Padrão alimentar

de pré-escolares e fatores associados. Jornal de

Pediatria. 2012; 88(2): 129-136.

Aranceta J, Pérez-Rodrigo C, Ribas L, Serra-Majem L.

Sociodemographic and lifestyle determinants of food patterns

in Spanish children and adolescents: the enKid study.

Eur J ClinNutr. 2003;57:S40-4.

Bouhlal S, Issanchou S, Nicklaus S. The impact of salt, fat

and sugar levels on toddler food intake. Br J Nutr. 2011;

(4):645-653.

Prado, BG. Qualidade das dietas de escolares do Município

de São Paulo. 2014. 117 f. Tese (Doutorado em

Ciências) – Universidade de São Paulo. São Paulo. 2014.

Nogueira-de-Almeida et al. Comparison of feedings habits

and physical activity between eutrophic and overweight/

obese children and adolescents: a cross sectional

study. Rev Assoc Med Bras. 2015; 61(3):227-233.




DOI: http://dx.doi.org/10.22565/ijn.v8i3.191

Refbacks

  • There are currently no refbacks.