Perfil de crianças atendidas em programa de fornecimento de fórmulas infantis

Luciana Rigotto Parada Redigolo, Silvia Sidnéia da Silva, José Eduardo Dutra-de-Oliveira, Marta Angélica Iossi Silva, Carlos Alberto Nogueira-de-Almeida

Abstract


Objetivo: Descrever o perfil das crianças atendidas no Ambulatório de Nutrologia da rede municipal de
saúde de Ribeirão Preto, por meio do protocolo inicial de fornecimento de fórmulas infantis. Casuística
e Método: Estudo descritivo e retrospectivo, com abordagem quantitativa, realizado por meio de
levantamento documental, dos dados de 924 crianças que receberam fórmula infantil no período de
2009 a 2013. Resultados: Constatou-se que 50,2% eram do sexo masculino, 28% crianças foram
incluídas aos 2 meses de idade, a prematuridade foi a causa biológica em 42% das crianças e a fórmula
foi oferecida como único alimento em 52,6% dos casos. Conclusão: As crianças que recebem a fórmula
como complemento devem ser alvo de maior investimento quanto à promoção do aleitamento materno,
com maior empenho das equipes de saúde nas ações voltadas para a amamentação, principalmente
no puerpério imediato, onde é possível minimizar as intercorrências mamárias

Keywords


Protocolo; Criança; Aleitamento Materno.

Full Text:

PDF

References


WHO. Expert consultation on the optimal duration of

exclusive breastfeeding. Conclusions and recommendations.

Document A54/INF.DOC./4, Geneva,2001; 28-30

March.

Sociedade Brasileira de Pediatria. Manual de Orientação

para a alimentação do lactente, do pré-escolar, do escolar,

do adolescente e na escola. Sociedade Brasileira de

Pediatria. Departamento de Nutrologia. 3.ed. São Paulo:

SBP; 2012. 120p.

Organização Mundial de Saúde. Organização Panamericana

de Assistência à Saúde. Fundo das Nações

Unidas para a Infância. Manejo e promoção do aleitamento

materno: curso de 18 horas para equipes de

maternidades. Nova Iorque: OMS; 1993.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística-Dados

Básicos; População; Economia; Outros; Histórico; Fontes

dos dados. Ribeirão Preto – SP; 2010. Disponível em:

http://cod.ibge.gov.br/232AY. Acessado em 25 Junho

Ribeirão Preto. Secretaria Municipal da Saúde. Plano

Municipal de Saúde 2014-2017. Disponível em: http://

ribeiraopreto.sp.gov.br/ssaude/vigilancia/planeja/pmsrp-

-2017.pdf. Acessado 25 Junho 2015.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à

Saúde. Departamento de Atenção Básica. Guia alimentar

para a população brasileira / Ministério da Saúde,

Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de

Atenção Básica. – 2. ed. – Brasília : Ministério da Saúde,

156 p.

Brasil. Ministério da Saúde. Dez passos para uma

alimentação saudável: guia alimentar para crianças

menores de dois anos : um guia para o profissional da

saúde na atenção básica . 2. ed. – Brasília : Ministério da

Saúde, Departamento de Atenção Básica. 2010. 72 p.

World Health Organization. Media centre. Preterm birth

Fact sheet No 363. Disponível em:http://www.who.int/

mediacentre/factsheets/fs363/en/. Acessado em 20 fev

Scochi CGS, Ferreira FY, Goes FSN, Fujinaga CI, Ferecini

GM, Leite AM. Alimentação láctea e prevalência do

aleitamento materno em prematuros durante internação

em um hospital amigo da criança de Ribeirão Preto-SP,

Brasil. Ciênc Cuid Saúde; 2008;7(2):145-54.

Chaves RG, Lamounier JA, César CC. Factors associated

with duration of breastfeeding. J Pediatr; 2007;83(3):241-46.

Rodrigues AP, Martins EL, Trojahn TC, Padoin SMM,

Paula CC, Tronco CS. Manutenção do aleitamento

materno de recém-nascidos pré-termo: revisão integrativa

da literatura Rev. Eletr. Enf. [Internet]. 2013 jan/

mar;15(1):253-64. Disponível em: https://www.fen.ufg.br/

fen_revista/v15/n1/pdf/v15n1a29.pdf . Acessado em 20

fev 2016.

Silva CC, Paula GR, Peixoto MKAV, Oliveira NES,

Santos LF, Oliveira LMAC. Assistência de enfermagem

a familiares de recém-nascidos em unidade de terapia

intensiva neonatal. Cienc Cuid Saude ; 2013 : 12(4): 804-

Silva LM, Tavares LAM, Gomes CF. Dificuldades na

amamentação de lactentes prematuros. Distúrb Comun ;

: 26(1): 50-9.

Bortolini GA, Vitolo MR, Gubert MB, Santos LM. Early

cow’s milk consumption among Brazilian children: results

of a national survey. J Pediatr; 2013: 89(6): 608-613.

Ricco RG, Del Ciampo LA, Almeida CAN. Puericultura:

princípios e práticas. Atenção Integral à Saúde da

Criança. 2ª ed. São Paulo: Atheneu; 2008.475p.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção a

Saúde. Departamento de Ações Estratégicas. II Pesquisa

de prevalência de aleitamento materno nas capitais

brasileiras e Distrito Federal. Brasília: Secretaria de

Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas

e Estratégicas-Brasília: Ministério da Saúde, 2009. 108p.

Crestani AH, Souza APR, Beltrami L, Moraes AB. Análise

da associação entre tipos de aleitamento, presença de

risco ao desenvolvimento infantil, variáveis obstétricas e

socioeconômicas. J. Soc. Bras. Fonoaudiol. ;2012; 24( 3

): 205-10.

Baptista GH, Andrade AHHKG de, Giolo SR. Fatores

associados à duração do aleitamento materno em

crianças de famílias de baixa renda da região sul da

cidade de Curitiba, Paraná, Brasil. Cad Saúde Pública ;

; 25(3): 596-604.

Esteves TMB, Daumas RP, Oliveira MIC, Andrade CAF,

Leite IC. Fatores associados à amamentação na primeira

hora de vida: revisão sistemática. Rev Saúde Pública

;2014; 48(4): 697-703

Fundo das Nações Unidas para a Infância. Iniciativa

Hospital Amigo da Criança : revista, atualizada e ampliada

para o cuidado integrado : modulo 4 : autoavaliação e

monitoramento do hospital / Fundo das Nações Unidas

para a Infância, Organização Mundial da Saude – Brasília

: Editora do Ministério da Saude, 2010. 92 p.

Del Ciampo LA, Daneluzzi JC, Ricco RG, Martinelli

Junior CE, Ferraz IS. Aleitamento materno exclusivo: do

discurso à prática. Pediatria ; 2008; 30(1): 22-6.

Savassi LCM, Lage JL, Coelho FLG. Sistematização de

um instrumento de estratificação de risco familiar: Escala

de risco familiar de Coelho-Savassi . Manag Prim Health

Care ;2012; 3(2):179-85.

Schlithler ACB, Ceron M, Gonçalves DA. Famílias

em situação de vulnerabilidade ou risco psicossocial.

Especialização em Saúde da Família, Módulo

Psicossocial, Unidade 18. São Paulo: Universidade

Federal de São Paulo - Pró-Reitoria de Extensão, 2010.

P-43-69.




DOI: http://dx.doi.org/10.22565/ijn.v10i3.306

Refbacks

  • There are currently no refbacks.